Vamos falar de Desvios Posturais?

Vamos fala sobre desvios posturais? A principal causa de diversas dores do nosso dia-a-dia e de alguns problemas futuros está ligada a nossa postura em momentos triviais como ir até o supermercado, se sentar à mesa ou simplesmente parar para assistir um filme em casa.
Vamos aprofundar um poucos mais o assunto e os pontos principais para prestar atenção.

No sentido biomecânico, postura corporal é definida como a resultante de um conjunto de forças musculares que atuam continuamente para compensar o efeito da gravidade (e de outras forças desequilibradoras) sobre o corpo e que permitem os vários segmentos corporais se alinharem de forma anti-gravitacional, possibilitando a manutenção da posição ereta, assentada ou de qualquer posição que demande a sustentação anti-gravitacional de um segmento corporal.

Podemos considerar uma postura corporal adequada quando essas forças que sustentam o corpo atuam sem geração de sobrecargas, com a máxima eficiência e o mínimo de esforço, mantendo um alinhamento funcionalmente eficaz dos vários segmentos corporais. A postura adequada favorece os movimentos corporais, entretanto, consideramos uma postura corporal inadequada quando a manutenção do corpo em situação anti-gravitacional implica na utilização excessiva ou desnecessária de forças musculares e em alinhamentos disfuncionais, consequentemente dificultando a realização de movimentos corporais.

Abaixo serão descritas as funções e principais alterações posturais mais recorrentes de determinadas partes do corpo.

A coluna vertebral forma o eixo ósseo do corpo, constituída de forma a oferecer sustentação e mobilidade necessária à movimentação do tronco. Protegendo também a medula espinal, que está alojada em seu interior, serve de suporte e permite a mobilidade da cabeça, assim como, possibilita movimentos em diversas partes do tronco e dá fixação a numerosos músculos. Uma das suas principais funções. É suportar o peso da maior parte do corpo e transmiti-lo, através das articulações sacroilíacas, para os ossos do quadril.

A: Apresenta curvaturas no sentido anteroposterior (anterior parte da frente do corpo, posterior parte de trás do corpo), indispensáveis para a manutenção do equilíbrio e da postura ereta.  As convexidades da coluna cervical e lombar se continuam suavemente com a cavidade torácica, mas a passagem da curvatura lombar para a sacral é abrupta. A sequência dessas curvaturas é essencial para que a coluna possa suportar compressão no sentido longitudinal sem prejudicar a postura ereta.

B: – Hiperlordose Cervical: Acentuação da curvatura fisiológica da região cervical, ocasionando uma anteriorização da cabeça.

– Hipercifose Torácica: Acentuação da curvatura fisiológica da região torácica, proporcionando um “dorso curvo”.

– Hiperlordose Lombar: Acentuação da curvatura fisiológica da região lombar.

C: Apresenta uma diminuição das curvaturas fisiológicas da coluna, gerando uma coluna retificada.

D: – Escoliose: Curvatura anormal da coluna vertebral, observando a imagem “de trás” é observada uma curvatura lateral da coluna, este desvio ocorre de forma tridimensional, pode se dizer que a coluna se “torce” em volta do próprio eixo.

A estrutura do joelho permite a sustentação de grandes cargas e a mobilidade necessária para as atividades locomotoras. O joelho é uma grande articulação sinovial, que inclui três articulações na cápsula articular. As articulações de sustentação de carga são duas articulações elipsóideas da articulação tibiofemoral, sendo a terceira articulação a articulação patelofemoral. Embora não seja parte do joelho, a articulação tibiofibular tem conexões de tecido mole que também influenciam discretamente o movimento do joelho.

– Valgo: Geno Valgo é uma condição em que o joelho está medializado em relação ao eixo de carga do membro inferior, fazendo com que os joelhos quase se toquem e as pernas pareçam formar a letra “X”.

– Varo: Geno Varo é uma condição que os joelhos estão lateralizados e relação ao eixo de carga do membro inferior, proporcionando um afastamento dos joelhos.

O pé é uma estrutura multióssea, que contém um total de 26 ossos com numerosas articulações. Entre elas estão as articulações subtalares e intertársicas, além das articulações tarsometatarsais, intermetatarsais, metatarsofalângicas e interfalângicas. Juntos, os osso e articulações do pé formam a base de sustentação do corpo ereto e ajudam-no a se adaptar em terrenos desnivelados e a absorver impacto.

– Pisada Pronada: O apoio do pé no chão é feito primeiro com a parte interna da planta do pé, pessoas com a pisada pronada costumam desgastar a parte lateral interna do calçado.

– Pisada Neutra: O apoio do pé é distribuído de maneira uniforme, com o peso distribuído de forma homogênea por toda a planta do pé. Favorecendo a absorção de impacto pelo corpo sobre as articulações.

– Pisada Supinada: O apoio do pé é feito primeiro com a parte externa da planta do pé, pessoas com a pisada supinada costumam desgastar a parte lateral externa do calçado.

Caso você se identifique com algum destes desvios posturais, recomendamos agendar um atendimento com um fisioterapeuta, avaliar o seu grau de desvio e o  procurar o melhor tratamento ou atividade física para equilibrar seu corpo de maneira saudável. A Integra e seus profissionais estão sempre a disposição para tirar dúvidas.

Escrito por: Rodrigo Marcondes (Fioterapeuta)

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Fechar Menu